Fasciite plantar – recomendações com evidência científica

folder_openCuidado pessoal, Rendimento desportivo
commentSem comentários
fasciite plantar

A fascite plantar é uma das causas mais comuns da dor no calcanhar. Nos Estados Unidos, representa mais de 1 milhão de visitas por ano tanto a médicos de cuidados primários como a especialistas em pés. Neste artigo, apresentaremos as atuais recomendações, baseadas em evidência científica, no que diz respeito aos recursos naturais, a fim de orientar melhor quem sofre desta cansativa condição.   

O que é a fascite plantar?

Fasciite plantar

A fáscia plantar é uma aponeurose fibrosa espessa, que tem origem no tubérculo do calcâneo medial e ajuda a suportar o arco do pé. Quando este tecido fica inflamado, por várias razões que vamos explicar no artigo, dá lugar a um quadro doloroso na planta do pé, conhecido como fascite plantar.

A fascite plantar é a causa mais comum de dor no calcanhar em adultos. A sua sintomatologia clássica inclui dor na região inferior do calcanhar que, muitas vezes, se estende a toda a planta do pé e dificuldade em andar. Os pacientes têm, frequentemente, dores, particularmente severas nos primeiros passos da manhã ou após um período de repouso, como sentar-se ou deitar-se. A dor costuma melhorar com o movimento (quando “aquecemos a área”) e piora com os períodos prolongados em pé, parados.

  • No exame físico costuma detetar-se dor, através da palpação no tubérculo do calcanhar e desconforto com a dorsiflexão passiva no primeiro dedo do pé.

Por que é que a fascite plantar ocorre?

A fascite plantar afeta tanto as pessoas sedentárias como atléticas e acredita-se ser o resultado de uma sobrecarga crónica, seja pelo estilo de vida ou pelo exercício. Quando se torna crónica, a fascite plantar, pode minar a qualidade de vida do paciente, limitando a atividade física, gerando, inclusive, o isolamento social.

  • Pensa-se que a sobrecarga de tração repetitiva, por estar de pé por longos períodos de tempo ou correr, provoca alterações inflamatórias nos tecidos da planta do pé, que podem tornar-se crónicas.

Existem vários fatores de risco envolvidos no desenvolvimento da fascite plantar. Para fins práticos, poderíamos dividi-los entre anatómicos e ambientais

Fatores de risco anatómicos:

  • Obesidade
  • Má passada (Pé plano, cavo, sobreposição, etc.).
  • Tendão de Aquiles encurtado
  • Dorsiflexão limitada no tornozelo.
  • Debilidade da musculatura da planta do pé.

Ambientais    

  • Calçado inadequado.
  • Caminhar sobre superfícies duras
  • Passar muito tempo em pé, parado.
  • Não realizar alongamentos.
  • Má técnica de corrida.
  • Os estudos mostram como a combinação de uma limitação na dorsiflexão do tornozelo, acompanhada pelo excesso de tensão dos músculos da barriga da perna, é um dos principais fatores envolvidos no desenvolvimento da fascite plantar.

Tratamento da fascite plantar.

Embora existam métodos cirúrgicos para o tratamento da fasciite plantar, a cirurgia pode ter múltiplas complicações residuais, tais como, dor, deformação do pé plano, dano do nervo calcaneal medial e cicatriz plantar dolorosa.  É por isso que o tratamento não cirúrgico é sempre a primeira escolha.

Outros tratamentos médicos utilizados para a fascite plantar incluem medicação anti-inflamatória e infiltrações de corticoides, toxina botulínica e injeções de plasma rico em plaquetas.

Por vezes, é necessário utilizar modelos podológicos personalizados, para corrigir possíveis anomalias estruturais do pé.

Embora, todos os tratamentos acima referidos, possam ter a sua relevância, o protagonista absoluto na gestão da fascite plantar é a fisioterapia. Ainda que a fisioterapia englobe o uso de tecnologias modernas como ondas de choque extracorpóreas, ultrassom ou iontoforese para reduzir a inflamação e a dor. Os estudos mostram como os exercícios de alongamento são o tratamento mais eficaz na fascite.

Além de revelar-se como a solução mais eficaz, melhorando não só a dor, mas também a deterioração funcional geral do pé e do tornozelo, sem dúvida que é a mais segura, a mais simples e económica. Uma vez que o paciente é instruído nos alongamentos, pode praticá-los por sua conta em qualquer lugar

Exercícios de alongamento para a fascite plantar.

A rigidez dos músculos da barriga da perna é a principal causa de alteração biomecânica na fascite plantar, uma vez que leva a um aumento da força de tração sobre a fáscia plantar, durante a fase de apoio na marcha.

Ao longo da literatura revista, o alongamento específico dos músculos dos gémeos (gastrocnémio e sóleo) teve os melhores resultados, a longo prazo, estatisticamente significativos

Abaixo vamos mostrar alguns dos alongamentos mais utilizados e apoiados pela evidência, e que os pacientes podem fazer em casa, para o tratamento da fascite plantar.

Os exercícios consistem no alongamento do gastrocnémio, sóleo e fáscia plantar. A duração de cada exercício de alongamento é de 20 a 30 segundos, descansando entre exercícios durante 10 segundos e repetindo cada exercício durante 10 séries. O tempo total para o exercício é de cerca de 20 minutos por dia, 5 dias por semana.

1º. Alongamento dos gémeos e da fáscia plantar com uma toalha.

Realizamos o alongamento sentados, colocando uma toalha sob a superfície da parte dianteira do pé. Segurando as pontas da toalha com as mãos, vamos puxá-las na nossa direção, mantendo o joelho esticado.

Fasciite plantar

Perm J . 2014; 18 (1): e105-e107

2º. Alongamento dos gémeos num degrau.

Coloque os dois pés numa plataforma, um degrau, ou no rebordo de um passeio. Apoie apenas as pontas, deixando o resto do pé no ar. O alongamento consiste em deixar que os calcanhares baixem com o peso do corpo, mantendo as pernas relaxadas.

Fasciite plantar

Ortho & Rheum Open Access 2018;11(2): 555810

3º. Alongamento manual da fáscia plantar com massagem de fricção cruzada.

Alongue com uma mão a fáscia plantar enquanto massaja a fáscia plantar, de forma transversal, com os dedos indicador e médio da outra mão. Procure pontos dolorosos e concentre-se neles.

Fasciite plantar

Perm J . 2014; 18 (1): e105-e107

4º Automassagem da fáscia plantar com lata ou bola.

Role a bola ou uma lata sobre a fáscia plantar, exercendo alguma pressão para massajar todas as estruturas. O ideal é que o façamos sobre uma superfície antiderrapante, como uma toalha

Recomenda-se realizar o exercício ao final do dia, durante 1 minuto, 3 vezes, com 30 segundos de intervalo entre elas.

Fasciite plantar

Perm J . 2014; 18 (1): e105-e107

Défice de vitamina D e fascite plantar.

Embora o desenvolvimento da fasciite plantar possa ser explicado por causas biomecânicas, nenhum outro aspeto deve ser negligenciado.

Alguns estudos têm mostrado como os pacientes com osteomalacia nutricional têm sintomas e sinais de fascite plantar.

A osteomalacia é uma disfunção óssea, caracterizada por uma alteração da mineralização óssea, levando ao amolecimento do osso. A osteomalacia ocorre, frequentemente, devido à falta de vitamina D, a qual ajuda o corpo a absorver o cálcio necessário, para manter a força e a dureza dos ossos.

Quando se dá a descalcificação do calcâneo (osso do calcanhar), a sua capacidade de absorver impactos diminui, o que faz com que possa inflamar mais facilmente.

Devemos suspeitar do défice de vitamina D, quando a pessoa sofre de várias condições músculo-esqueléticas ao longo do tempo (por exemplo, fascite plantar, dor na anca, dor nas costas e dor no joelho), e quando estas se manifestam de forma bilateral e, muitas vezes, sem uma causa aparente.

Conclusões sobre fascite plantar.

Embora a fascite plantar seja a causa mais comum da dor no calcanhar em adultos, quando é realizada uma abordagem correta, costuma ter um bom prognóstico, sendo muito poucos os casos nos quais se deve recorrer à cirurgia.

Os estudos mostram como um programa de exercícios de alongamentos feitos em casa, é uma solução eficaz para reduzir a dor, melhorando a força dos músculos do pé, tanto os extrínsecos como os intrínsecos, nos pacientes com fascite plantar.

Nos casos mais persistentes, a fisioterapia e a podologia podem ser necessárias.

Por último, dada a evidência a este respeito, deve ser tida em conta a possível falta de vitamina D, ao abordar o tratamento da fascite plantar.

Código de desconto 20%

Se estiver interessado nos programas, ou em qualquer dos produtos naturais Green Club, pode comprá-los na loja online de produtos naturais usando o código A.VALENZUELA e assim obter um desconto de 20%!

Redigido por Antonio Valenzuela

Antonio Valenzuela é fisioterapeuta especialista em psiconeuroimunologia clinica, fitoterapia e nutrição.
Antonio é professor, conferencista e divulgador sobre um estilo de vida saudável. Colabora com o Green Club aportando informação profissional, atual e comprovada sobre diversos temas relacionados com a saúde e o bem-estar.

A informação contida nesta página web tem um caracter meramente informativo e não deve substituir as recomendações dos profissionais de saúde.

Tem alguma pergunta? Não hesite em contactar-nos, o nosso grupo de profissionais está à sua disposição

Referências:

  1. Luffy L, et al. Plantar fasciitis: A review of treatments. JAAPA. 2018 Jan;31(1):20-24.
  • Schwartz EN, Su J. Plantar fasciitis: a concise review. Perm J. 2014;18(1):e105-e107.
  • Boonchum H, Bovonsunthonchai S, Sinsurin K, Kunanusornchai W. Effect of a home-based stretching exercise on multi-segmental foot motion and clinical outcomes in patients with plantar fasciitis. J Musculoskelet Neuronal Interact. 2020;20(3):411-420.
  • Çil ET, Şaylı U, Subaşı F. Outpatient vs Home Management Protocol Results for Plantar Fasciitis. Foot Ankle Int. 2019 Nov;40(11):1295-1303.
  • Celik D, Kuş G, Sırma SÖ. Joint Mobilization and Stretching Exercise vs Steroid Injection in the Treatment of Plantar Fasciitis: A Randomized Controlled Study. Foot Ankle Int. 2016 Feb;37(2):150-6.
  • Lim AT, How CH, Tan B. Management of plantar fasciitis in the outpatient setting. Singapore Med J. 2016 Apr;57(4):168-70; quiz 171.
  • Paice EW, Hoffbrand BI. Nutritional osteomalacia presenting with plantar fasciitis. J Bone Joint Surg Br. 1987 Jan;69(1):38-40.
  • Sievenpiper JL, McIntyre EA, Verrill M, Quinton R, Pearce SH. Unrecognised severe vitamin D deficiency. BMJ. 2008;336(7657):1371-1374. doi:10.1136/bmj.39555.820394.BE
  • Danczak A. Aches and pains in primary care. Br J Gen Pract. 2010;60(574):374.
  1. Amr F A R, Ossama E, Amro S, Mohammed A E. Comparison between Platelet Rich Plasma and Corticosteroid Injection in Treatment of Plantar Fasciitis: A Systematic Review. Ortho & Rheum Open Access 2018;11(2): 555810.

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Menu